Arquivo | janeiro, 2013

Sim, sou brasileira. Não, não gosto de carnaval.

23 jan

Imagem

É, chegou a hora. Todo mundo tá falando disso, tem gente pagando as parcelas há um ano, hipoteca a casa, mas paga isso. É mais esperado que o 13º, mais que qualquer outra data e feriado. Vem chegando o carnaval. Para alegria de todos e para meu desespero. Eu não conheço nenhuma outra coisa que eu odeie tanto quanto carnaval. Eu acho que é até pecado falar uma barbaridade dessas sendo brasileira. Eu deveria ser presa. Acho que é uma afronta. Deve ser. Foi mal, deuses do axé e do candomblé. Por favor, não venham puxar meu pé à noite saculejando seus corpinhos e me cantarolando essas músicas de vocês no ouvido. Eu sou uma boa pessoa, eu juro, mas eu não gosto de carnaval. Nunca gostei. Eu sempre planejo ir esquiar nessa época, veja só que apego tenho a esse feriado nacional. E me sinto mal, porque devo ser um alienígena por não gostar dessa ferveção que todo mundo ama. Será que eu sou gringa? Mãe, sou? Acho que não, porque os gringos também amam essa desgraça, quase todo mundo no planeta ama.

De verdade, o carnaval só serve pra mim pra duas coisas: um grande feriado pra uma viagem legal, e a hora de saber que o ano realmente começou e, portanto a dieta e a academia devem começar também. Eu não entendo esse amor que as pessoas têm por essa data. Eu detesto samba, até os de raiz que tem letras belíssimas mas o ritmo me incomoda. Eu odeio aquela gente se sacudindo e parecendo que vai quebrar a cintura e o siso vai encostar na orelha de tanto sorrir. Tenho pavor a bloquinhos de carnaval com gente de abadá cafona, homem vestido de mulher (que mania gente…) e de fantasias em geral. Quando um Bob Esponja vem me xavecar eu acho que preferiria um tiro de raspão. Não suporto aquele calor, aquele bafo de vulcão, aquela farofa, aquela gente suada se encostando, se amando e se encoxando como se não houvesse amanhã. E há o amanhã viu gente? Engravida, pega sapinho, o bofe some. Todas aquelas coisas que também acontecem na páscoa por exemplo. Eu não tenho o menor talento pra esse desapego. Nos poucos carnavais que já fui o carinha que troquei olhares no começo era o que eu queria ficar pro resto da noite (e da vida?), queria ficar de mãozinha dada no melhor estilo “casei na balada” mas ele nem sequer queria saber o meu nome, eu devia ser mais uma da lista de milhõõõões que ele pegaria pra contar pros amigos. Que nojo! Ai que chateação, não dou conta desse mundo sem amor. Esse ninguém é de ninguém. Poxa vida, cadê a consideração?! Cadê o romance?!

E as escolas de samba na Sapucaííííí (já vem uma voz gritando na minha cabeça quando penso nessa palavra. A voz e o gari sambando)? E os desfiles Brasil? Ai só de pensar nos desfileSszzZZZzzzzZZzz. Opa, desculpa, dei um cochilo. Eu tenho uma teoria de que as escolas revezam os carros e fantasias ano sim ano não. Porque são sempre iguais! Não me venha dizer o contrário! E como julga aquilo? Harmonia, nota…..9,75. Oi?? Baseado em que querido? Que harmonia tem essa bagunça? E a entonação desse cara que faz a apuração? Eu acho que ele odeia mais carnaval que eu ou que ele vai se matar a qualquer momento. E Rainha da bateria? Seriously? Eu quero é ser Rainha da Suécia, da Inglaterra, não da bateria da unidos da Pirapora da Serra.

“Você não sabe o que é carnaval até ir pra Salvador”. Então acho que dessa vida sairei sem saber. Eu não vou. Não adianta. Já sei que o Asa Arreia, que o Bel arrasa, que a Claudinha é sarada, que o Durval sei lá das quantas. Mas não vou.  Nem de graça, nem no colo da Ivete Sangalo (até daria um abraço nela e diria que todos nos acham sósias e que ela é bárbara), mas ainda assim não ficaria. Já ouvi que não existe coisa igual, que a vibe é indescritível, que é uma felicidade contagiante e ta ta ta. Eu não vou, quero ser feliz na neve com minha prancha de snow ou na praia vazia sem farofa.

Eu também acho preocupante essa minha posição sobre esse feriado tão festivo e essa época tão solene. Mas não tenho muito o que fazer a não ser me preparar para isso. Tem gente que não gosta de chocolate e eu não gosto de carnaval. Vai entender. Mas ó, de coração, desejo a todos vocês um carnaval incrível, com muito axé, muito samba, muito amor, muita história pra contar. E voltem logo, pra gente poder planejar o próximo feriado pra um lugar que eu não seja extraterrestre.

Bom iê iê iê pra vocês. Porque atrás da verde e rosa só não vai quem já morreu e eu acho que sou um zumbi então.