Arquivo | dezembro, 2014

Meu grande e eterno amor: A Suécia.

17 dez

large (4)

Se você já conversou comigo por mais de 10 minutos sabe de alguma maneira que sou totalmente apaixonada pela Suécia. É, isso mesmo, a Suécia, aquele país nórdico, dos vikings loiros bem apessoados. Aquele país frio que se sabe tão pouco sobre. Eu realmente não sei explicar muito bem e acho que nem tem tanta explicação como todo grande amor verdadeiro. Mas é algo realmente forte.  Inclusive já vai fazer aniversário de 10 anos esse tal apego, mesma idade da minha terceira tattoo, escrita em sueco!

Tudo começou quando morei em Barcelona. Tinham muitos suecos e suecas no meu curso de espanhol e a beleza e educação desse povo foi algo que me chamou atenção. Uma sueca morava comigo e ficou bem minha amiga. Foi ela que despertou toda essa minha curiosidade e amor pela Suécia. Ela se apaixonou pelo Brasil e eu pela Suécia, então todos os dias trocávamos muitas informações e curiosidades e eu sempre aprendia algo sobre lá e fui me encantando cada vez mais. Pra começar essa tal sueca estava em Barcelona fazendo um curso de fotografia que o governo estava pagando pra ela. Por que? Porque ela pediu. Lá é assim, você pede e o governo te dá. Lá os impostos são altíssimos (cerca de 30% do salário). No entanto é absolutamente tudo voltado para a população. O governo investe na saúde, educação, limpeza da cidade, transportes públicos, etc. Crianças e jovens não pagam hospital e nem dentista até os 18 anos. Ou seja, tudo funciona, inclusive o governo. Aliás, na Suécia não existe corrupção. Dá pra acreditar? Simplesmente não existe. Os políticos não tem luxo, ganham o mesmo que um cidadão comum ou até menos. Andam de metrô e ônibus como todo mundo. Moram em apartamentos de um quarto e vivem bem assim. Igual aqui, né gente?

Essa minha amiga me convidou pra passar o Natal com a família dela na Suécia. Imaginem a minha felicidade? Sou a pessoa que mais gosta de Natal do planeta. Amo, sou retardada nessa data. E eu iria passar um Natal de verdade! Num lugar frio, com neve caindo e num país colado à terra do Papai Noel (Finlândia) fazendo jus as vestimentas do bom velhinho! Era tipo um sonho. Fui e lá pude comprovar que tudo o que eu imaginava sobre a Suécia era aquilo e muito, muito mais.

Os suecos são sempre bem gentis e educados com todo mundo, é praticamente impossível ser destratado por um sueco. Podem até ser frios (como todo bom europeu), porém, jamais vão ser grosseiros ou propositalmente irão te magoar. Eles são cuidadosos com as palavras e evitam qualquer tipo de conflito. Além disso, são as pessoas mais bonitas do mundo. Juro. Todo mundo é lindo, é inacreditável. É todo mundo loiro, alto, olhos claros, com a pele meio dourada ou bem branquinha e são aaaallltos, bem altos. A média de altura FE-MI-NI-NA é 1,75cm. Que tal? Essa é a média de altura masculina no Brasil, veja se não sou desfavorecida nesse país. Eles são lindos e nem por isso são modelos. Uma menina da minha classe (a pessoa mais bonita que já vi de perto) era carteira. Isso mesmo, carteira. Se eu recebo uma carta daquela mulher eu mesma peço ela em casamento.

Todas as cidades são extremamente limpas, impecáveis. Dificilmente se vê lixo no chão, é tão limpo que você pode ser multado se for visto jogando lixo no chão. Além de limpo, é muito organizado. Tipo, inacreditável. Se você viu pela internet que seu ônibus vai passar as 16:32 é essa hora que ele vai passar. E vai chegar ao destino na hora marcada.  Cada prédio tem sua própria lavanderia e secadora, é só agendar um horário e pronto. Fora isso, você faz absolutamente tudo pela internet, não existe ficar em fila para pagar uma conta ou pra fazer qualquer coisa.

By the way, a internet lá é inacreditavelmente mais rápida. Inclusive, é lá que estão os maiores hackers do mundo, os caras inventaram o Piratebay. Não que isso seja legal, não me leve a mal, só tô mostrando o quanto de gente inteligente que tem por lá. Os caras criaram a Ikea, H&M, Spotify, Electrolux, Volvo e deram ao mundo o ABBA, Roxete e o Alfred Nobel. Não é pra morrer de amor?

Casais suecos têm, juntos, direito a 480 dias para cuidar do bebê. Ou seja, os pais suecos podem tirar até 1 ano e dois meses de licença-paternidade remunerada. Oi? É, é isso mesmo. Quanto ao clima, eu fui pra lá no inverno então escurecia perto das 15hs da tarde (isso é muito surreal). E lá também existe o sol da meia-noite, onde o sol não se põe nos meses de verão. Isso mesmo! Fica sol o dia inteiro em junho, julho e agosto.

Mais algumas curiosidades que fazem da Suécia o meu país ideal: Não existem cursos de inglês particulares, pois todos já aprendem a falar o idioma na escola. Não se usa calçados dentro de casa, nem no trabalho. Anda-se de meias. (Gente, sonho!) Em dezembro até chegar o Natal existe uma comida típica por dia que deve ser consumida e faz parte das boas maneiras oferecer aos convidados doces feitos por você além de um vinho quente maravilhoso. Na Suécia, quanto mais hora extra você faz, maior é o imposto que você paga. Isso acontece para dar mais chance de todos trabalharem, já que, ao fazer hora extra, você pode tirar vaga de emprego de outra pessoa. Todas as torneiras têm água quente e fria, dependendo de para onde vira-las. (Isso é uma coisa imbecil mas não podia deixar de mencionar).

Por fim, vale lembrar que a Suécia é uma monarquia constitucional, tem charme maior que isso? Lá vive a Rainha Sílvia, filha de uma brasileira (!!!!). Alô? Princesa Gabriela em breve? Gente, sério. Eu não consigo parar de me apaixonar por esse lugar e cada vez mais tenho certeza que ainda vou morar lá por um tempo. E acho que depois de tudo o que falei deve ter mais gente querendo ir comigo né? Vamos? Está na melhor época pra irmos! God Jul och ett underbart nytt år till er (Feliz Natal e um ano novo incrível para vocês!)

Anúncios

Inferno astral pré 30.

8 dez

neurose

Hoje, 8 de dezembro de 2014, começa uma fase muito difícil pra mim. Acho que o pior inferno astral da minha vida. O inferno astral que precede meu aniversário de trinta anos. (Já quase comecei a chorar só de escrever isso, tô emotiva). Essa sempre foi uma época tão feliz… as 3 melhores semanas do ano: Natal, Reveillon, Aniversário. Assim, um seguidinho do outro. Não sei o que está acontecendo comigo,  sempre fui tão bem resolvida com tudo… mas a chegada dos meus 30 ANOS (nunca vou falar isso sem ter um peso), tem me deixado meio mal, meio deprê mesmo. Sei lá, passou tudo tão rápido. Ontem mesmo eu tinha 20 anos e ter 30 era tão, mas tão distante que eu nem pensava nisso. Eu imaginava tudo TÃO diferente quando chegasse aos 30… Essa despedida dos 20 está me pegando de um jeito que não esperava.

Os 20 especificamente foram incríveis, inesquecíveis. Foi uma década realmente especial. Foi a década de acabar a faculdade e curtir loucamente os últimos anos. Foi a década dos estágios, das promoções e conquistas profissionais. Também a década de ser muito feliz e quebrar a cara incansavelmente.  A década de grandes amores eternos que acabaram, e de amores totalmente improváveis que espero que sejam eternos. Foi a década em que quase todas as minhas melhores amigas se casaram. Foi a década de poucas perdas, de muita saúde, minha, da minha família e das pessoas que eu amo, graças a Deus. De grandes descobertas de todos os tipos, de viagens inesquecíveis, de conquistas maravilhosas e mudanças eternas. Foi bom demais. Mas, daí chegam os 30. Os malditos 30. Quando a gente deixa de “inte” e poucos pra ter “inta” e muitos.

Sim, eu já ouvi dizer que a vida começa aos 30. E que os 30 são os novos 20. Mas pra mim isso é tudo desculpa de gente velha querendo ser jovem. Sabe vovô garoto? Tipo isso. Me parece que os 30 vem lotado de crise existencial, de relógio biológico apitando, de rugas, cabelo branco, dúvidas e dívidas. Posso estar sendo pessimista (sim, estou,  me deixa, vou virar trintona e tô deprimida), mas ao que tudo indica, até cientificamente, estou no limiar de alguma coisa grave e esquisita que vem por aí. Me parece um pouco a crise do quarto de vida ou crise de meia idade, chamem como quiser. Acho que é uma idade que provoca (de maneira bem intensa) um desejo de mudança, de encontrar um plano de fuga da situação atual, de reconstruir a vida, uma coisa meio maluca.

Maaass, vendo pelo lado positivo (essa maturidade dos quase 30 estão me fazendo uma pessoa evoluída, veja só), ouvi dizer coisas boas também. Por exemplo que aos 30 anos as mulheres atingem o ápice sexual. Li recentemente que as mulheres com 30 anos têm mais motivação sexual, mais fantasias e portanto mais transas. Ó que boa notícia. Me aguarde ano que vem. Li que é o auge da confiança sexual e auto estima. Isso aí me pareceu interessante.

Li também que aos 30 nossa personalidade tende a se estabilizar. Que até então nossa personalidade evolui e muda bastante mas que finalmente aos 30 se estabiliza com a emergência da vida adulta. Isso nos torna pessoas mais coerentes e decididas aparentemente. Li que nessa idade você passa da reta à curva. Da quantidade à qualidade. E que cientificamente as pessoas são mais felizes nessa época. Mas, de novo, tendo a achar que esse tipo de informação é desculpa pra quem já chegou nessa desgraça de 30 anos e quer se sentir melhor.

E essa sou eu sendo bipolar porque achei bom e ruim num mesmo parágrafo. Tô falando que essa coisa de fazer 30 anos enlouquece?!

Então dentre todas essas loucuras que venho pensando para superar esse momento difícil que se aproxima, vou tentar focar em algo que li recentemente num texto sobre o assunto. Me parece que com isso vou aceitar melhor essa tortura que se aproxima.

“Na verdade, fazer 30 anos não é para qualquer um. Fazer 30 anos é, de repente, descobrir-se no tempo. Antes, vive-se no espaço. Viver no espaço é mais fácil e deslizante. É mais corporal e objetivo. Pode-se patinar e esquiar amplamente. Fazer 30 anos é mais do que chegar ao primeiro grande patamar. É mais que poder olhar pra trás. Chegar aos 30 é hora de se abismar. Por isto é necessário ter asas, e sobre o abismo voar.”  Só espero que esse voar não me traga dor nas costas. Sei lá, agora que virei meio idosa. Que seja assim então. Vem 30, tô te esperando. (Lágrimas e um shot de vodka).

 

 

Exames de rotina e de irritação.

2 dez

bigcardiograma

Por que existem exames médicos? Sério. “Ah você tem que agradecer a Deus que você não tem nada e são só exames de rotina”. Ta bom, eu sei, mas o ano passa tão rápido que me dá a sensação que fiz ontem esses exames e já chegou a hora de fazer de novo. Aliás, já estou atrasada. Eu odeio isso de fazer exames. Não tem como ser legal porque já começa errado. Você tem que acordar bem cedo, com a bexiga cheia, e ainda tem que ficar de jejum. Se tem uma coisa que eu não consigo fazer é sair de casa sem café da manhã. Não existe, não funciono. Então já saio de casa meio atrapalhada achando que esqueci algo ou que posso desmaiar a qualquer momento.

Não sei se é só comigo mas eu tenho bastante má sorte com essa coisa de exames, tudo dá errado. Já comentei aqui recentemente sobre uns exames que fui fazer e as datas estavam todas erradas e os tipos de exame também. Demorei meses pra conseguir fazer todos direito. Mas fiz. Agora resta lembrar de marcar o retorno no médico e aí se vão mais algumas semanas… Bom, os exames de hoje eram só de urina e sangue e ainda assim eu consigo ter todo tipo de problema nesses casos.

Cheguei no laboratório super cedo e já começa o mau humor. Estacionamento: 1 hora – DEZOITO REAIS e as demais horas R$ 7,00. Na boa, qual é a probabilidade de eu ficar menos de uma hora aí dentro? Estamos no Brasil, não na Suécia, o negócio vai demorar consideravelmente. Ou seja, vamos ser realistas que eu já devo começar o meu dia gastando aproximadamente R$ 32,00 de estacionamento? Ah ta, entendi.

Sala 1, senha 1. Lotada. Cara, que horas vocês chegaram aqui, de verdade? Espera. Sala 2, senha 2. Espeeeera. Cadastro.

– Bom dia senhora Gabriela, tudo bem?

– Medio, estou esperando há horas aqui e morrendo de vontade de fazer xixi.

– Senhora, o pedido de exame tem mais de 1 mês e não podemos proceder.

– Ahhh podemos proceder sim, eu liguei aqui antes e me disseram que podia ter 2 meses o pedido (inventei… mas colou!).

– Preciso confirmar aqui cada um dos itens pedidos no exame de sangue.

– Moça, agiliza que eu tô fazendo xixi na calça.

Sala 3. Senha 3. Espeeerraa. Mau humor. Bexiga explodindo. Vontade de comer o braço do coleguinha sentado ao meu lado.

– Sra Gabriela. Pode deixar a pastinha aqui que logo chamamos pelo nome.

– Moça, a senhora não está entendendo, eu PRECISO fazer o exame de urina, senão eu vou fazer xixi aqui, no meio da sala e não vai ser legal.

– Ok, a senhora sabe o procedimento?

– SIIIMMM!!! LAVA.A.MÃO.LIMPA.SENTA.DESPREZA.O.PRIMEIRO.JATO.MIJA.NO.POTINHO.E.FECHA.BEM.MOÇA.PELO.AMOR.DE.DEUS.ME.DA.O.POTINHO!!!

Pronto, sou outra pessoa. Sigo com muita fome e mau humor, mas já outra pessoa. Agora espero mais um tanto para fazer exame de sangue.

Sala 4. Senha 4. Espera.

Namorado no telefone:

– Ga, um pedal da minha bike quebrou, to aqui na sarjeta na cidade jardim, pode vir me buscar?

– Ishh amor, ferrou. Ainda falta o exame de sangue. Vou tentar correr aqui.

Sala 5. 12 tubinhos de sangue. DOZE.

– Nossa moça, mas tudo isso? Jura? Vai sobrar algo dentro de mim? Hehehe. (Não sei como ainda consigo fazer graça nessas horas).

– É o procedimento, senhora.

– Affff, não sabe brincar. Por isso é baranga. (Pensei!)

Horas depois estou eu, indo embora, morta de fome, super atrasada pro trabalho mas me sentindo com dever cumprido. Tipo quando a gente termina de fazer ginástica, sabe?

Vou pro estacionamento ladrão.

– Senhora, o manobrista deu uma raladinha no seu carro.

– Você só pode estar brincando com a minha cara!!

– Mas não foi nada demais.

Que bom começo de dia. Um bom dia pra vocês todos.