Arquivo | setembro, 2015

Motivos pelos quais eu jamais seria blogueira.

22 set

large

O título desse texto pode parecer um pouco confuso, contraditório, ou até preconceituoso. Não, eu não odeio as blogueiras do mundo e nem quero queimá-las em praça pública e postar isso no snapchat pro mundo poder acompanhar. Longe disso. Eu amo blogs, acompanho milhões (dos mais diferentes tipos), e muitos deles são inspirações para minha vida em diversos aspectos. Eu também não sou louca/bipolar de dizer que jamais seria uma coisa que por circunstâncias da vida eu meio que sou. Quer dizer, eu tenho um blog porque é uma plataforma que encontrei para dividir meus textos, mas entendo isso aqui muito mais como um site de crônicas ou como se fosse uma coluna minha. Eu tenho consciência que isso aqui é um blog, o ponto é que eu não me considero uma blogueira. Faz sentido?

Na minha cabeça (e na de um montão de gente, eu imagino), blogueira é uma mulher que tem um blog (ah va!) mas mais que isso, é um estilo de vida. Profissão mesmo, e hoje em dia super respeitada. São meninas que são extremamente ligadas a algumas áreas como moda, lifestyle, viagens, mundo fitness, culinária, e fazem desses assuntos algo diário na vida delas e isso é compartilhado muitas vezes por dia, por diversas redes sociais para um mundo de seguidores que estão desesperadamente querendo saber de tudo aquilo. São celebridades do mundo virtual e têm uma dimensão muito maior do que podemos imaginar. (Eu sou publicitária, eu sei bem quanto custa um mísero post dessas moçoilas.)

E eu não sou nada disso aí. Acho realmente admirável quem é e quem consegue administrar o tempo e a vida para ser, mas eu não sou. Mesmo. Eu só escrevo, sobre um monte de coisa, mas é isso, eu escrevo, e só. E uso uma imagenzinhas bonitinha pra ornar com o texto. Pronto, é isso. E é aqui que vem o meu ponto de eu jamais conseguir ser como uma dessas bloggers. E posso listar facilmente os motivos disso.

Se eu fosse uma blogueira de lifestyle, por exemplo. Primeiramente; minha vida nem é tão interessante assim. Não me leve a mal, sou extremamente feliz e grata pelo que tenho, mas eu tenho uma rotina que se resume em trabalhar 10 horas por dia, correr, escrever, frequentar a Kabbalah, ir à a academia e ler. Digamos que não é a vida mais incrível e inusitada que se tem, certo? Claro que nesse meio termo tem programas com minhas amigas, meu namorado, eventos de família, casa na praia, casamentos e tudo mais. Mas no geral, a rotina mesmo, é bem normal e não é nada que valha a pena ficar compartilhando a todo tempo, entende? Semana passada por exemplo, eu tive 2 dias inteiros de workshop que eu garanto que se vocês pudessem acompanhar não só vocês morreriam de depressão como correriam até lá pra me dar um abraço e me sequestrar.

Se eu fosse uma blogueira de moda ou make eu não duraria um dia sequer. Eu sou totalmente desligada de moda, não entendo nada de estilistas e mooooorrro de preguiça desses eventos de lançamento de coleção e marcas que tem todo dia. Cortaria os pulsos de perder meu Netflix pra ir nesse tipo de evento no meio da semana ou ir no SPFW. Acho um antro de gente esquisita. Não entendo dos desfiles, me confundo com as marcas e no geral sou bem básica pra me vestir. Fora isso, nunca entenderei essas mulheres que acordam duas horas antes do que deveriam para se produzir. Isso sou eu tá? Continuem lindas, maquiadas e da moda que eu amo acompanhar, ok?

Se eu fosse blogueira fitness, eu poderia durar por uma semana, pois é o tempo que eu consigo manter uma dieta a risca ou uma boa frequência de academia. Eu não tenho a disciplina que essas moças tem. Uma semana eu só tomo líquidos e na outra eu posso comer uma praça de alimentação inteira, sou muito incoerente. E eu nem acho que batata doce é doce porcaria nenhuma. Doce pra mim é brigadeiro. Fora que eu morro de sono pra acordar as 05:00 da manhã. Admiro, muito. Mas não dou conta não.

Se eu fosse uma blogueira de viagens eu seria demitida porque só tiro férias uma vez por ano e, portanto, só faço viagens que valem a pena de serem compartilhadas, uma vez por ano. Todo o resto do tempo eu passo planejando a próxima e elencando lugares que preciso conhecer. A eterna tristeza de ser funcionária e assalariada.

Fora tudo isso me falta tempo e paciência. Pra ficar editando, pesquisando, postando e acompanhando todas as redes sociais, pra estar por dentro de tudo a todo o tempo, 24 horas por dia.

Dia desses uma leitora me pediu pra começar a postar no snapchat. Estava pensando aqui e analisando tudo que falei acima, e to achando melhor não, viu?! Acho que sou melhor com as palavras mesmo.

Anúncios